RECOMEÇO

RECOMEÇO
CLARA LIBE

Páginas

quarta-feira, julho 29, 2009

SELINHO!!!

ESTE SELINHO GANHEI DA Alessandra Miotto do blog http://alessandramiotto.blogspot.com/ CAIXINHA DE DESCOBERTAS....
A regrinha é:
Passar para 5 amigos, que vc acha que é um super blog!
Eu repasso para:
ANOTAÇÕES DA PRÔ RIRELA
ARCO-ÍRIS
PIRLIM PIM PIM
ALFABETIZAÇÃO E CIA
CANTINHO ALTERNATIVO
A VOCÊS!!! ... MUITO SUCESSO , PAZ E SAÚDE!!!!!!
CLARA LIBE



10 MANDAMENTOS DE COMO PLANEJAR UMA AULA:

1 - ESQUEÇA A BUROCRACIA.

Invente planos de aulas que sejam úteis e que sejam fáceis de mexer

2 - CONHEÇA BEM DE PERTO O SEU ALUNO.

Pergunte-se sempre: “O que meu aluno deve e pode aprender?”, planeje a aula de forma fácil e objetiva.

3 - SE NECESSÁRIO, FAÇA UM PLANO DE AULA PARA CADA TURMA.

O planejamento deve ser sempre alterado, de acordo com as necessidades da turma.

4 - ESTUDE PARA ENSINAR BEM.

Uma pessoa só pode ensinar aquilo que sabe, porém é preciso, também, saber como ensinar.

5 - COLOQUE-SE NO LUGAR DO ESTUDANTE.

Você deve saber se os temas trabalhados em sala são importantes do ponto de vista do aluno.

6 - DEFINA O QUE É MAIS IMPORTANTE.

Os critérios para estabelecer o que é mais importante ensinar devem ser as necessidades dos alunos.

7 - PESQUISE EM VÁRIAS FONTES.

Toda aula requer material de apoio. Busque informações em livros, em revistas, na Internet e etc.

8 - USE DIFERENTES MÉTODOS DE TRABALHO.

Métodos como: aulas expositivas, atividades em grupo e pesquisas são excelentes aliados!

9 - CONVERSE E PEÇA AJUDA.

Converse com OS colegas! Aproveite as reuniões!

10 - ESCREVA, ESCREVA, ESCREVA.

Compre um caderno e anote, no fim do dia, tudo o que você fez em classe. Esta é uma forma de você analisar o que está ou não dando certo em seu trabalho!

CREDITOS- EDIFISICABRA/ PRO. RIRELA
Fonte: http://groups.google.com/group/professoressolidarios?hl=pt-BR

E BOM TRABALHO .... CLARA LIBE

quinta-feira, julho 16, 2009

CONTOS DE FADAS... FOLCLORE ....CULTURAS ....REFLEXÃO

Resgatando os contos de fadas, lendas e fábulas.
“Aaaatirei o pau no gatôtô!...”
Cantiga de roda de antigamente,
Mas o gato correu e não voltou
Levando a mocidade da gente.
********************************
E nunca mais brinquei de roda!...
Dona Chica até percebeu,
Quando cantava boca de forno
Que também desapareceu.
*******************************
Lá se vão tanto tempo...
E eu aqui fico a relembrar,
Minhas noites enluaradas
Que eu vivia a cantar.
*********************************
A lua não mais clareou
E a mula sem cabeça ficou vagando.
Cadê Sacy Pererê o brincalhão
Que às vezes chegava pulando?
********************************
E o Lobisomem famoso
Peludo até sua garganta,
Que espantava a meninada
Nas noites de semana santa?
*******************************
Lembro-me do Pai Francisco
Entrando na roda com o violão,
E lagarta pintada que a velha pintou!
Saudades!... Nunca mais cantei não!
**************************************
As lendas, os contos as fábulas,
As cantigas de roda! Esqueceram!
Só as crianças do meu passado
Estas culturas, este folclore, viveram.
*************************************
É preciso resgatar tudo isto
Esta cultura está quase esquecida,
Sempre irei lembrar da Gata Borralheira
Chapeuzinho vermelho e a Bela Adormecida.
*******************************************
A Bela e a Fera, que clássico!
A Wall Disney veio nos oferecer,
As crianças sem vícios e sem drogas
São resgates que temos que fazer.
*********************************
Vamos devolver as crianças
A cultura que delas foram tiradas,
É o mínimo que podemos fazer
Antes que fiquem marginalizadas
****************************************
Nos contos de fadas eu vejo
A beleza e a pureza da fantasia,
Que faz brotar nas crianças o sorriso
Porque este é o Sol que irradia.
***************************************
O sapatinho da Gata Borralheira
Fazendo a mesma virar Cinderela,
A Galinha dos Ovos de Ouro
Com suas cores amareladas
************************************
Vamos trazer para as escolas
Histórias para serem contadas,
Fábulas, contos, lendas e parlendas
Farão crianças mais animadas.
*************************************
Porquê foram esquecidas
Esta riqueza cultural?
Também o mundo globalizou nisto
Trazendo para nós este mal?
****************************************
Em meus sonhos dormem coisas sossegadas
São coisas de antigamente,
Na lembrança da professorinha
Contando histórias pra gente.
**********************************
O urubu e a festa no céu
A ousadia do sapo neste enredo!
Despencando da viola lá do alto
Querendo ser mais forte que o lajedo.
******************************************
São historinhas jamais esquecidas
Pelas crianças do meu passado,
E para as do amanhã ter
É preciso que sejam resgatados.
***************************************
Façamos com que as crianças tenham
E sintam mais vontade de viver,
Fala dessa riqueza cultural
Por que elas precisam saber.
*************************************
Cante cantigas de roda
Relembre o nosso passado,
Conte um conto, uma fábula;
E terás crianças alegres do teu lado.
***************************************
Fale dessa cultura quase falida
Que por desenhos violentos trocam,
Propaga a violência na tv
Que só crime e maldade mostram!
******************************************
Resgate tudo isto professora
A sua escola tem vídeo e tv,
Mostre a criança esta fantasia
Que ela agradecerá a você.
****************************************
Quem sabe a criança de rua
Também pudesse assistir,
Talvez se sentiria mais feliz
Neste milagre que é o sorrir.
*************************************
Ah! Se essa rua fosse minha!
De ladrilhos eu iria calçar,
Pra gente brincar de roda
Em qualquer noite de luar.
**************************************
A queda de Terezinha
A briga do cravo e a rosa,
A chegada dos três cavalheiros
Levantando a dama pomposa.
***************************************
As mil e uma noites
Que passaram de lá para cá,
Roubada pela cultura
Do ladrão de Bagdá.
**************************************
Ali Babá e os 40 ladrões
Abre-te Sésamo! A porta abria,
Mostrando as jóias da realeza
Que os estes ladrões escondia.
**************************************
A Princesa e o Plebeu
Alice no país das maravilhas,
Que de pipocas em pipocas
Reuniram muitas família.
**************************************
Muitos escreveram tesouros
Hoje quase enterrados,
Vamos voltar no tempo
Para serem resgatados.
******************************
Monteiro Lobato nos deixou
Um legado de estórias,
Malba Thaan, Cecília Meireles...
Também tiveram esta glória.
***************************************
Wall Disney o Americano
Com sua simplicidade,
Deixou para todos nós
Os filmes da eternidade.
***********************************
Filme que uma criança
Por mais triste que esteja,
Daria suas gargalhadas
Que a felicidade almeja.
****************************************
Entraram em nossos lares
Através da televisão,
A cultura da violência
Exportada do Japão.
***************************************
Yoguiô, O Ex Man
Goodzila, Dijemon,
Robocop, Paul Ranger
Meta Boots e Pokémon.
***************************************
Todos estes desenhos
Alimentam a criminalidade,
São dragões e também robôs
Com requintes de crueldades.
****************************************************
Por isso urgentemente
É preciso desligar,
As Tvs desses programas
Para tudo melhorar.
***************************************
Será uma vitória perfeita
Do mal perdendo pro bem,
E o começo do resgate
Será aqui em Itanhém.
***********************************
Na Escola
Será o passo inicial,
E só os seus professores
Nos tirará desse mal.
********************************
Airam Ribeiro
INFELIZMENTE É VERDADE ...É MUITO REALISTA ...ADOREI ESSA POESIA ....
E VOCÊ????

CONTOS DE FADAS...





PESSOAL OLHEM QUE COISA MAIS LINDA ESSAS ATIVIDADES SOBRE OS CONTOS DE FADAS.... AMEI ... RETIREI DO BLOG DA MINHA COLEGA PRÔ RIRELA ... BJOS AMIGA ( ADORO SEU BLOG) !!!!
CLARA LIBE

sexta-feira, julho 10, 2009

OBRAS DOS IRMÃOS GRIMM...




BELA ADORMECIDA

Era uma vez, há muito tempo, um rei e uma rainha jovens, poderosos e ricos, mas pouco felizes, porque não tinham concretizado maior sonho deles: terem filhos.— Se pudéssemos ter um filho! — suspirava o rei.— E se Deus quisesse, que nascesse uma menina! —animava-se a rainha.— E por que não gêmeos? — acrescentava o rei.Mas os filhos não chegavam, e o casal real ficava cada vez mais triste.
Não se alegravam nem com os bailes da corte, nem com as caçadas, nem com os gracejos dos bufões, e em todo o castelo reinava uma grande melancolia.
Mas, numa tarde de verão, a rainha foi banhar-se no riacho que passava no fundo do parque real.
E, de repente, pulou para fora da água uma rãzinha.— Majestade, não fique triste, o seu desejo se realizará logo: Antes que passe um ano a senhora dará à luz uma menina.
E a profecia da rã se concretizou, e meses depois a rainha deu a luz a uma linda menina.
O rei, que estava tão feliz, deu uma grande festa de batizado para a pequena princesa que se chamava Aurora.Convidou uma multidão de súditos: parentes, amigos, nobres do reino e, como convidadas de honra, as treze fadas que viviam nos confins do reino.
Mas, quando os mensageiros iam saindo com os convites, o camareiro-mor correu até o rei, preocupadíssimo.— Majestade, as fadas são treze, e nós só temos doze pratos de ouro.
O que faremos? A fada que tiver de comer no prato de prata, como os outros convidados, poderá se ofender. E uma fada ofendida…
O rei refletiu longamente e decidiu:— Não convidaremos a décima terceira fada — disse, resoluto. — Talvez nem saiba que nasceu a nossa filha e que daremos uma festa.
Assim, não teremos complicações.
Partiram somente doze mensageiros, com convites para doze fadas, conforme o rei resolvera.
No dia da festa, cada uma das fadas chegou perto do berço em que dormia a princesa Aurora e ofereceu à recém-nascida um presente maravilhoso.— Será a mais bela moça do reino — disse a primeira fada, debruçando-se sobre o berço.— E a de caráter mais justo — acrescentou a segunda.— Terá riquezas a perder de vista — proclamou a terceira.— Ninguém terá o coração mais caridoso que o seu — afirmou a quarta.— A sua inteligência brilhará como um sol — comentou a quinta.
Onze fadas já tinham passado em frente ao berço e dado a pequena princesa um dom; faltava somente uma (entretida em tirar uma mancha do vestido, no qual um garçom desajeitado tinha virado uma taça de sorvete) quando chegou a décima terceira, aquela que não tinha sido convidada por falta de pratos de ouro.
com a expressão muito sombria e ameaçadora, terrivelmente ofendida por ter sido excluída. Lançou um olhar maldoso para a princesa Aurora, que dormia tranqüila, e disse: — Aos quinze anos a princesa vai se ferir com o fuso de uma roca e morrerá.
E foi embora, deixando um silêncio desanimador e os pais desesperados.
Então aproximou-se a décima segunda fada, que devia ainda oferecer seu presente.— Não posso cancelar a maldição que agora atingiu a princesa.
Tenho poderes só para modificá-la um pouco.
Por isso, Aurora não morrerá; dormirá por cem anos, até a chegada de um príncipe que a acordará com um beijo.Passados os primeiros momentos de espanto e temor, o rei, decidiu tomar providências, mandou queimar todas as rocas do reino.
E, daquele dia em diante, ninguém mais fiava, nem linho, nem algodão, nem lã.
Ninguém além da torre do castelo.
Aurora crescia, e os presentes das fadas, apesar da maldição, estavam dando resultados.
Era bonita, boa, gentil e caridosa, os súditos a adoravam.
No dia em que completou quinze anos, o rei e a rainha estavam ausentes, ocupados numa partida de caça.
Talvez, quem sabe, em todo esse tempo tivessem até esquecido a profecia da fada malvada.
princesa Aurora, porém, estava se aborrecendo por estar sozinha e começou a andar pelas salas do castelo.
Chegando perto de um portãozinho de ferro que dava acesso à parte de cima de uma velha torre, abriu-o, subiu a longa escada e chegou, enfim, ao quartinho.
Ao lado da janela estava uma velhinha de cabelos brancos, fiando com o fuso uma meada de linho. A garota olhou, maravilhada.
tinha visto um fuso. — Bom dia, vovozinha. — Bom dia a você, linda garota. — O que está fazendo? Que instrumento é esse? Sem levantar os olhos do seu trabalho, a velhinha respondeu com ar bonachão: — Não está vendo? Estou fiando! A princesa, fascinada, olhava o fuso que girava rapidamente entre os dedos da velhinha. — Parece mesmo divertido esse estranho pedaço de madeira que gira assim rápido.
Posso experimentá-lo também? Sem esperar resposta, pegou o fuso.
E, naquele instante, cumpriu-se o feitiço. Aurora furou o dedo e sentiu um grande sono. Deu
tempo apenas para deitar-se na cama que havia no aposento, e seus olhos se fecharam.
Na mesma hora, aquele sono estranho se difundiu por todo o palácio.
Adormeceram no trono o rei e a rainha, recém-chegados da partida de caça.
Adormeceram os cavalos na estrebaria, as galinhas no galinheiro, os cães no pátio e os pássaros no telhado.Adormeceu o cozinheiro que assava a carne e o servente que lavava as louças; adormeceram os cavaleiros com as espadas na mão e as damas que enrolavam seus cabelos. Também o fogo que ardia nos braseiros e nas lareiras parou de queimar, parou também o vento que assobiava na floresta.
Nada e ninguém se mexia no palácio, mergulhado em profundo silêncio.
Em volta do castelo surgiu rapidamente uma extensa mata.
Tão extensa que, após alguns anos, o castelo ficou oculto.
Nem os muros apareciam, nem a ponte levadiça, nem as torres, nem a bandeira hasteada que pendia na torre mais alta.
Nas aldeias vizinhas, passava de pai para filho a história da princesa Aurora, a bela adormecida que descansava, protegida pelo bosque cerrado.
A princesa Aurora, a mais bela, a mais doce das princesas, injustamente castigada por um destino cruel.
Alguns cavalheiros, mais audaciosos, tentaram sem êxito chegar ao castelo.
A grande barreira de mato e espinheiros, cerrada e impenetrável, parecia animada por vontade própria: os galhos avançavam para cima dos coitados que tentavam passar: seguravam-nos, arranhavam-nos até fazê-los sangrar, e fechavam as mínimas frestas.
Aqueles que tinham sorte conseguiam escapar, voltando em condições lastimáveis, machucados e sangrando.
Outros, mais teimosos, sacrificavam a própria vida.
Um dia, chegou nas redondezas um jovem príncipe, bonito e corajoso.
Soube pelo bisavô a história da bela adormecida que, desde muitos anos, tantos jovens a procuravam em vão alcançar. — Quero tentar também — disse o príncipe aos habitantes de uma aldeia pouco distante do castelo. Aconselharam-no a não ir. — Ninguém nunca conseguiu! — Outros jovens, fortes e corajosos como você, falharam…— Alguns morreram entre os espinheiros…— Desista! Muitos foram, os que tentarem desanimá-lo.
No dia em que o príncipe decidiu satisfazer a sua vontade se completavam justamente os cem anos da festa do batizado e das predições das fadas.
Chegara, finalmente, o dia em que a bela adormecida poderia despertar.
Quando o príncipe se encaminhou para o castelo viu que, no lugar das árvores e galhos cheios de espinhos, se estendiam aos milhares, bem espessas, enormes carreiras de flores perfumadas. E mais, aquela mata de flores cheirosas se abriu diante dele, como para encorajá-lo a prosseguir; e voltou a se fechar logo, após sua passagem.
O príncipe chegou em frente ao castelo
A ponte elevadiça estava abaixada e dois guardas dormiam ao lado do portão, apoiados nas armas.
No pátio havia um grande número de cães, alguns deitados no chão, outros encostados nos cantos; os cavalos que ocupavam as estrebarias dormiam em pé.
Nas grandes salas do castelo reinava um silêncio tão profundo que o príncipe ouvia sua própria respiração, um pouco ofegante, ressoando naquela quietude.
A cada passo do príncipe se levantavam nuvens de poeira. Salões, escadarias, corredores, cozinha…
Por toda parte, o mesmo espetáculo: gente que dormia nas mais estranhas posições.
O príncipe perambulou por longo tempo no castelo.
Enfim, achou o portãozinho de ferro que levava à torre, subiu a escada e chegou ao quartinho em que dormia A princesa Aurora.
A princesa estava tão bela, com os cabelos soltos, espalhados nos travesseiros, o rosto rosado e risonho.
O príncipe ficou deslumbrado. Logo que se recobrou se inclinou e deu-lhe um beijo. Imediatamente, Aurora despertou, olhou par ao príncipe e sorriu.
Todo o reino também despertara naquele instante.
Acordou também o cozinheiro que assava a carne; o servente, bocejando, continuou lavando as louças, enquanto as damas da corte voltavam a enrolar seus cabelos.
O fogo das lareiras e dos braseiros subiu alto pelas chaminés, e o vento fazia murmurar as folhas das árvores.
A vida voltara ao normal. Logo, o rei e a rainha correram à procura da filha e, ao encontrá-la, chorando, agradeceram ao príncipe por tê-la despertado do longo sono de cem anos.
O príncipe, então, pediu a mão da linda princesa em casamento que, por sua vez, já estava apaixonada pelo seu valente salvador.
Eles, então, se casaram e viveram felizes para sempre!

Curiosidades
Os Estúdios Disney fizeram versões de desenhos animados deste e de outros clássicos infantis. Se tiver oportunidade, assista-os.

A VERDADEIRA HISTÓRIA DA CINDERELA ...IRMÃOS GRIMM!!


Cinderella (versão dos Irmãos Grimm)




A mulher de um homem rico ficou muito doente. Quando ela percebeu que a morte se aproximava, chamou sua única filha ao seu leito e disse"Filha querida, seja boa e piedosa que o bom deus sempre lhe protejerá.

Eu estarei no céu olhando pra você e nunca te abandonarei.

" Dito isso, ela fechou os olhos e morreu.

Todos os dias a moça visitava o túmulo de sua mãe.

Ela chorava e se mantinha piedosa e boa.

Quando o inverno veio, a neve cobriu o túmulo com uma manta branca e quando o sol da primavera a derreteu, o homem encontrou uma nova esposa.

A mulher trouxe consigo duas filhas que eram bonitas e agradáveis de rosto, mas más e feias de coração.

Começava um período ruim para a pobre moça.

"Essa pata-tonta vai sentar-se na sala de visitas conosco?," elas perguntavam.

"Se quer comer o pão, terá que trabalhar para ganhá-lo.

Trabalhará na cozinha."

Elas tiraram suas belas roupas, vestiram-na com um camisolão cinza e velho e lhe calçaram com sapatos de madeira.

"Olhem só para a princesa orgulhosa!

Como está fora de moda," elas gritavam, riam e a levavam para a cozinha.

Lá ela tinha que trabalhar pesado durante todo o dia, se acordava antes de o sol nascer, carregava água, acendia o fogo, cozinhava e lavava.

Além disso, as irmãs ainda a maltratavam de todas as formas imagináveis - gozavam dela e derramavam as ervilhas e lentilhas nas cinzas do fogão para que ela tivesse que catar tudo de novo.

Ao anoitecer, quando ela já estava cansada de tanto trabalhar, ela não tinha uma cama onde dormir e acabava deitando-se ao lado do forno, nas cinzas.

Por isso ela sempre parecia suja e empoeirada e foi então que começaram a chamá-la Cinderella. Um dia, o pai estava indo para a feira e perguntou às duas irmãs o que queriam que ele trouxesse para elas.

"Belos vestidos," disse uma delas, "Pérolas e jóias," disse a outra. "

E você, Cinderella," perguntou ele, "o que você quer?"

"Pai, traga-me o primeiro galho de árvore que bater em seu chapéu quando estiver voltando para a casa.

" Então ele comprou belos vestidos, pérolas e jóias para as enteadas, voltando para a casa, quando cavalgava por um bosque, um ramo de uma aveleira passou pelo seu chapéu.

Então ele quebrou o ramo e levou consigo.

Quando chegou em casa, ele deu às enteadas o que haviam pedido, e para Cinderella ele deu o ramo da aveleira.

Cinderella agradeceu, foi até o túmulo de sua mãe, plantou o ramo que ganhou de seu pai, e chorou tanto que as lágrimas chegaram ao chão e regaram a planta.

O pequeno ramo cresceu e transformou-se em uma árvore frondosa.

Três veses por dia Cinderella sentava-se sob a árvore, chorava e rezava.

Um passarinho branco sempre vinha para a árvore e se Cinderella expressasse um desejo, o passarinho jogava para ela o que ela pedira.

Um dia o rei anunciou que haveria uma festa que duraria três dias para a qual todas as moças jovens e bonitas do reino estavam convidadas para que o príncipe escolhesse sua noiva.

Quando as duas irmãs souberam que estavam convidadas, ficaram eufóricas, chamavam Cinderella e diziam, "pentei nossos cabelos, engraxe nossos sapatos e ajude-nos a nos vestir, porque nós vamos ao casamento no palácio real

Cinderella obedecia e chorava, porque ela queria ir com elas para o baile, e implorava à madastra que deixasse-a ir.

"Você, Cinderella," disse ela, "coberta de pó e sujeira como você sempre está.

Você não tem roupas nem sapatos, e nem ao menos sabe dançar."

E mesmo assim Cinderella continuava pedindo.

Depois de um tempo a madrasta disse, "E despejei um prato de lentilhas nas cinzas, se você conseguir catar todas em duas horas, deixarei você vir conosco."

A moça foi até a porta dos fundos e chamou"Mansas pombinhas e rolinhas e todas as aves do céu venham me ajudar a catar as lentilhas.

As boas no prato, As ruins no papo."

Logo duas pombinhas brancas entraram pela janela da cozinha, em seguida as rolinhas, e por último todas as aves do céu, vieram numa revoada e pousaram nas cinzas.

As pombinhas balançavam a cabeça e começaram a catar e os outros passarinhos fizeram o mesmo.

Logo juntaram todos o grãos bons no prato.

Não tinha passado nem uma hora quando acabaram o serviço e se foram.

A moça, contente, levou o prato para a madrasta.

Ela acreditava que com isso poderia ir ao baile com elas.

Mas a madrasta disse, "Não, Cinderella, você não tem roupas e não sabe dançar.

Você seria motivo de risos."

Como Cinderella começou a chorar, a madrasta disse: se você conseguir catar dois pratos de lentilhas das cinzas em uma hora, poderá ir conosco.

Ela achava que desta vez, Cinderella não conseguiria.

Quando a madrasta derramou os dois pratos de lentilhas nas cinzas, a moça foi até a porta dos fundos e chamou"Mansas pombinhas e rolinhas e todas as aves do céu venham me ajudar a catar as lentilhas.

As boas no prato, As ruins no papo." Logo duas pombinhas brancas entraram pela janela da cozinha, em seguida as rolinhas, e por último todas as aves do céu, vieram numa revoada e pousaram nas cinzas.

As pombinhas balançavam a cabeça e começaram a catar e os outros passarinhos fizeram o mesmo.

Logo juntaram todos o grãos bons no prato.

Não tinha passado nem meia hora quando acabaram o serviço e se foram.

A moça estava muito feliz achando que agora ela teria permissão para ir ao baile.

Mas a madrasta disse:

"Isso não adianta nada.

Você não pode ir conosco, pois não tem roupas e não sabe dançar.

Só nos faria passar vergonha.

Dito isso, ela virou as costas e partiu com suas orgulhosas filhas.

Enquanto não tinha ninguém em casa, Cinderella foi ao túmulo de sua mãe, sentou-se sob a árvore e disse"Balance e se agite, árvore adorada,Me cubra toda de ouro e prata."

O passarinho entregou-lhe um vestido de ouro e prata e sapatos de seda com bordados de prata. Ela vestiu-se com pressa e foi ao baile.

A madrasta e as irmãs não a reconheceram e pensaram que deveria ser uma princeas estrangeira de tão bela que ela estava em seu vestido dourado.

Elas nem imaginavam que podia ser Cinderella, e acreditavam que ela estava suja em casa, sentada ao lado do fogão catando lentilhas.

O príncipe se aproximou dela, pegou sua mão e dançou com ela.

Ele não quis dançar com nenhuma outra moça, não soltou a mão dela por um único instante e, se alguém a convidava para dançar, ele dizia"Ela é minha dama."

Dançaram até tarde da noite, e então ela quis ir embora.

Mas o príncipe disse:

"Eu te acompanho," pois ele queria saber a que família tão bela moça pertencia.

Ela conseguiu escapar-se dele e se escondeu no pombal.

O príncipe esperou em frente à casa até que o pai de Cinderella veio e ele disse que a moça desconhecida havia se escondido no pombal.

O pai de Cinderella pensou, "Deve ser Cinderella."

Trouxeram um machado e uma picareta e quebraram o pombal em pedacinhos, mas já não tinha ninguém lá dentro.

Quando chegaram em casa, encontraram Cinderella com suas roupas sujas deitada nas cinzas à luz mortiça de uma lamparina.

O que aconteceu foi que Cinderella se escapou rápido pela parte de trás do pombal e correu até a aveleira.

Lá ela tirou suas belas vestes, deixou-as sobre o túmulo de sua mãe e o passarinho as levou. Então ela voltou pra casa e deitou-se nas cinzas vestida com seu camisolão.

No dia seguinte, a festa recomeçou.

A madrasta e as irmãs foram de novo.

Cinderella foi até a aveleira e disse"Balance e se agite, árvore adorada,Me cubra toda de ouro e prata."

Logo o passarinho lhe entregou um vestido ainda mais bonito que o da noite anterior.

E quando Cinderella apareceu no baile com seu vestido, todos ficaram espantados com tanta beleza.

O príncipe, que estava esperando por ela, logo pegou sua mão e não dançou com nenhuma outra moça.

Quando outros vinham e a convidavam para dançar, ele dizia "Ela é minha dama."

Quando anoiteceu, ela quis ir embora e o príncipe a seguiu para ver em que casa ela entraria. Mas ela se escapou se escondendo no jardim de sua casa.

Lá havia uma árvore alta e bela que dava peras maravilhosas.

Ela subiu ágil como um esquilo e o príncipe não sabia onde ela estava.

Ele esperou até que o pai dela veio e disse a ele, "A moça desconhecida se escapou de mim e acredito que ela tenha subido na pereira.

O pai pensou:

"Deve ser Cinderella."

Trouxeram um machado e derrubaram a árvore, mas já não havia ningém lá.

Quando chegaram em casa, encontraram Cinderella com suas roupas sujas deitada nas cinzas à luz mortiça de uma lamparina.

O que aconteceu foi que Cinderella se escapou rápido pela parte de trás do pombal e correu até a aveleira.

Lá ela tirou suas belas vestes, deixou-as sobre o túmulo de sua mãe e o passarinho as levou. Então ela voltou pra casa e deitou-se nas cinzas vestida com seu camisolão.

No terceiro dias, quandoa madrasta e as irmãs já tinham saído, Cinderella foi mais uma vez até o túmulo de sua mãe e disse para a aveleira"Balance e se agite, árvore adorada,Me cubra toda de ouro e prata."

E o passarinho lhe trouxe um vestido que ainda mais explêndido e magnificente que os outros e sapatinhos de ouro.

E quando ela chegou ao baile, todos emudeceram de admiração.

O príncipe dançou apenas com ela e para todos que a convidavam para dançar, ele dizia: "Ela é minha dama".

Quando a noite chegou, Cinderella quis ir embora e o príncipe estava ansioso para ir com ela. Mas ela escapou-se tão rápido que ele não conseguiu segui-la.

O rpíncipe, desta vez, usou a inteligência: mandou que passassem piche na escadaria e, quando a moça passou, o sapato do pé esquerdo ficou grudado.

O príncipe pegou o sapatinho: era pequenino, gracioso e todo de ouro.

Na manhã seguinte, ele disse a seu pai que não se casaria com nenhuma moça, a não ser a dona do pé que coubesse neste sapato.

As duas irmãs estavam felizes pois tinham pás pequenos.

A mais velha entrou no quarto com o sapato e tentava calçá-lo enquanto sua mãe olhava.

Mas ela não conseguiu colocar o sapato por causa de seu dedão do pé.

O sapato era muito pequeno para ela.

Então a mãe lhe deu uma faca e disse:"Corta o dedão, quando você for rainha, não precisará andar muito a pé.

" A moça cortou fora o dedão, forçou o pé para dentro do sapato, disfarçou a dor e foi ver o príncipe.

Ele colocou-a na garupa de seu cavalo e saiu com ela como se fosse sua noiva.

Eles tinham que passar pelo túmulo da mãe de Cinderella, e quando por lá passaram, da aveleira duas pombinhas cantaram

"Olhe para trás,

olhe para trás,

há sangue no sapato

,o sapato é pequeno demais,

sua noiva lhe espera muito atrás.

"Então ele olhou para o pé dela e viu o sangue pingando.

Ele deu meia volta com o cavalo e levou a falsa noiva de volta para a casa, e disse para a outra irmã calçar o sapato. Colocou seus dedos do pé sem problemas, mas deu calcanhar era largo demais.

A madrasta deu-lhe uma faca e disse:"Corta fora um pedaço do teu calcanhar, quando fores rainha não precisarás andar a pé."

A moça cortou um pedaço de seu calcanhar, forçou seu pé para dentro do sapato, disfarçou a dor e foi ver o príncipe.

Ele colocou-a na garupa de seu cavalo e saiu com ela como se fosse sua noiva.

Quando passaram pela aveleira, duas pombinhas cantaram

"Olhe para trás,

olhe para trás,

há sangue no sapato,

o sapato é pequeno demais

sua noiva lhe espera muito atrás.

"Ele olhou para o pé dela e viu o sangue escorrendo pelo sapato e manchando a meia de vermelho.

Ele deu meia volta com o cavalo e levou a noiva falsa de volta para casa.

"Esta também não é a noiva certa," disse ele, "vocês não têm outra filha?" "Não," disse o homem, "temos apenas a pequena e raquítica ajudante de cozinha, filha de minha ex-mulher, mas não é possível que ela seja a noiva."

O príncipe pediu para vê-la, mas a mulher disse "oh, não! Ela está sempre muito suja.

Não está apresentável.

Mas o príncipe insistiu e Cinderella foi chamada.

Ela primeiro lavou suas mãos e o rosto, e curvou-se diante do príncipe que entregou-lhe o sapatinho de ouro.

Ela sentou-se em um banquinho, tirou o pesado sapato de madeira, e calçou o sapatinho de ouro, que serviu como uma luva.

Ela ergueu-se e o príncipe olhou para o seu rosto e reconheceu a bela moça com quem tinha dançado e disse: "Esta é a noiva verdadeira."

A madrasta e suas filhas estavam horrorizadas e ficaram pálidas de raiva, ele, entretanto, colocou Cinderella sobre seu cavalo e levou-a consigo.

Quando passaram´pela aveleira, as duas pombinha cantaram:

"Olhe para trás,

olhe para trás,

não tem sangue no sapato,

que não lhe é apertado,

É com a noiva certa que estás."

E depois de cantar, as duas pombinhas pousaram nos ombros de Cinderella, uma no direito, a outra no esquerdo, e sicaram sentadinhas lá.

Na cerimônia do casamento do príncipe, as duas irmãs falsas foram e queriam ficar de bem com Cinderella e dividir com ela a boa fortuna que teve.

Quando os noivos chegaram à igreja, a mais velha estava à direita e a mais nova à esquerda, e as pombinhas arrancaram um olho de cada uma das irmãs.
Depois quando voltavam, a mais velha estava à esquerda e a mais nova à direita, e as pombinhas arrancaram o outro olho de cada uma delas.
E então, por sua maldade e falsidade, elas foram punidas com a cegueira até o fim de suas vidas.



O QUE ACHARAM DESSA HISTÓRIA ... JÁ CONHECIAM ?????


OBRAS DOS IRMÃOS GRIMM...

Os irmãos mais famosos de todos os tempos, os Irmãos Grimm nasceram na Alemanha entre os anos 1785 e 1786, e seus nomes muita pouca gente sabe, mas são Jacob e Wilhelm, que reuniram mais de 2600 contos, lendas e fábulas da Idade Média, e se tornaram os maiores contadores de história de todo o mundo.
Algumas pessoas dizem que os dois eram ricos e foram cair no mundo em busca de aventuras para descobrir novas histórias, mas a versão real é que os dois partiram pela Europa em uma pesquisa, onde elaboraram o dicionário alemão e os mais conhecidos contos de fadas.
É da autoria dos Irmãos Grimm, contos munidilamente famosos, que a Disney transformou em filmes. Uma controvérsia muito importante é sobre o conto de Cinderela. Contado oficialmente por Charles Perrault, o conto da princesa é de origem dos irmãos Grimm, que em 2005 tiveram os direitos da história passados para eles. Abaixo você vê os contos de fadas dos Irmãos Grimm, mais conhecidos em todo o mundo.

  • Cinderela;
  • Branca de Neve;
  • João e Maria;
  • Rapunzel
  • Os Músicos de Bremen;
  • A Protegida de Maria;
  • O Ganso de Ouro;
  • O Alfaiate Valente;
  • O Lobo e as Sete Cabras;
  • Os Sete Corvos;
  • As Aventuras do Irmão Folgazão;
  • Os Três Fios de Cabelo do Diabo.
  • Alladin
  • A princesa e o sapo
  • Rumpelstiltskin
  • As viagens do Pequeno Polegar
  • A Bela Adormecida
  • O Flautista de Hamelim;

IRMÃOS GRIMM!! MINHA PRÓXIMA MISSÃO!!

Irmãos Grimm, elementos biográficos

Jacob e Wilhelm Grimm nasceram em Hanau, na Alemanha, em 1785 e 1786, respectivamente. Como o pai, estudaram Direito, mas abandonaram a advocacia para dedicarem-se à literatura. Em 1830, ingressaram como professores numa universidade na Alemanha. Eram grandes estudiosos da língua alemã, filólogos, eruditos, historiadores e narradores excepcionais.
Em 1837, os irmãos Grimm e mais cinco professores foram demitidos da universidade onde trabalhavam, a Universidade de Göttingen, por serem contrários ao rei que governava.
Em 1841, foram convidados para o cargo de professores na Universidade de Berlim.
Foi nessa cidade que moraram até o fim de suas vidas.
Jacob morreu em 1863 e Wilhelm, em 1859.
Os irmãos Grimm são conhecidos em todo o mundo pela grande quantidade de contos populares que recolheram na Alemanha, desde o início do século XIX.
Diz-se que escreviam à noite as histórias que ouviam durante o dia de parentes, amigos e camponeses.
Mas qual o motivo que levaria Jacob e Wilhelm a colherem tantos contos?
Durante séculos, as histórias conhecidas por diferentes povos eram transmitidas apenas oralmente.
Eram contadas pelos mais velhos aos mais novos e, assim, passadas de geração para geração.
Na Idade Média, muitas delas ganharam versões escritas, feitas principalmente pelos padres que moravam nos monastérios.
O registo desses contos em texto tornava mais fácil a preservação dessas histórias.
Sabendo disso, os irmãos Grimm trataram de pesquisar relatos em documentos antigos e recolher contos entre a população da Alemanha para preservar as histórias tradicionais do seu povo.
A esposa de Wilhelm, Dortchen Wild, forneceu mais de doze histórias, como Rumpelstiltskin, que é o nome de um anão que transforma palha em ouro.
Já a história da Branca de Neve e os Sete Anões, por exemplo, foi contada aos irmãos Grimm por duas amigas da família.
Dorotea Viehmman, uma velha mulher do povo, foi quem contou mais de metade dos contos que recolheram, cerca de 200 contos de fadas! Sem falar nas 10 lendas, nas 600 cantigas folclóricas, etc.
Os primeiros contos recolhidos pelos irmãos Grimm foram publicados em 1812.
A obra chamava-se "Histórias das Crianças e do Lar" e apresentava 51 contos.
Os textos por eles publicados espalharam-se logo pelo mundo, ganharam outras versões e fascinaram pessoas de diferentes línguas e culturas.
Mas a importância dos irmãos Grimm na literatura não parou por aí!
O sucesso dos contos recolhidos por Jacob e Wilhelm Grimm foi tão grande que incentivou também outros pesquisadores a preservarem as histórias dos seus povos.
Assim, muitos estudiosos de todo o mundo foram à procura de contos populares para registá-los em texto.
Nos contos escritos pelos irmãos Grimm, sempre há uma mensagem positiva que se pode tirar das aventuras dos heróis e do castigo dos vilões!
As bruxas, monstros, lobos e dragões usados nas histórias serviam como um alerta para as crianças se afastarem de estranhos e obedecerem aos pais, por exemplo.
De qualquer modo, nas histórias dos irmãos Grimm, as pessoas bondosas são premiadas e as maldosas são castigadas.
Não é sempre que isso acontece na vida real, mas na fantasia dos irmãos Grimm quem merece sempre ganha um final feliz.
Há predomínio da esperança e da confiança na vida, os personagens lutam pelos seus ideais, na sua maioria de cunho humanitário.
Nota-se uma preocupação fundamental com a sobrevivência e as necessidades básicas do indivíduo. Em oposição, a insaciabilidade humana causa transtornos sem tamanho, podendo até prejudicar a si mesmo e aos outros seres.
A ambiguidade da figura feminina fica bem explicita nas narrativas.
É a figura feminina que causa o bem e também o mal.
Mostram o resgate através da bondade e do amor e contrapondo-se a esses valores estão os prejuízos causados por ardis e traições.
A violência não aparece de forma clara.
Todos os contos dos Grimm pertencem à área das narrativas do fantástico-maravilhoso, por pertencerem ao mundo do imaginário ou da fantasia.
A Gata Borralheira, especificamente, pode ser caracterizado como conto maravilhoso (histórias que apresentam um elemento mágico, sobrenatural, integrado naturalmente nas situações apresentadas).
De tão famosas, muitas das histórias dos irmãos Grimm ganharam versões de outros autores.
A Gata Borralheira, por exemplo, apresenta mais de 300 em todo o mundo!

ADORO AS HISTÓRIAS DOS IRMÃOS GRIMM E SOU FÃ DE CARTEIRINHA DESSES AUTORES E VOCÊ????
CLARA LIBE

OBRIGADA





RECEBI ESSES SELINHOS DA AMIGA PRÔ RIRELA http://proportoseguro.blogspot.com/
DEDICO ESSES DOIS SELINHOS A TODOS OS BLOGS QUE ME ACOMPANHAM E QUE EU ACOMPANHO ....
MUITO OBRIGADA PELO CARINHO !!!!

sábado, julho 04, 2009

CAMPO VERDE - PARABÉNS!!!


História
A história da ocupação da região onde hoje está localizado o município de Campo Verde pode ser dividida em duas etapas. A primeira ainda no século 19 quando chegaram os primeiros habitantes vindos do triângulo mineiro. As famílias se estabeleceram na localidade conhecida como Buriti dos Borges e deram início ao processo de colonização. Por mais de 100 anos a região viveu apenas da pecuária e da agricultura de subsistência, até que na década de 1970, com a chegada de migrantes vindo do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Campo Verde, então conhecido como Distrito de Posto Paraná, deu um salto de progresso. Primeiro foi o cultivo de arroz que impulsionou a economia local, depois à soja ocupou o cerrado e trouxe mais riquezas para o futuro município. Em 4 de julho de 1988,por Otávio Eckert, Campo Verde conquistou a tão sonhada emancipação político administrativa. Localizado na região sul do estado, numa altitude de 736 metros acima do nível do mar, Campo Vede tem clima tropical, com temperaturas variando entre 18 e 24 graus, com a mínima oscilando entre 10 e máxima 34 graus. A precipitação pluviométrica entre 9 e 225 milímetros, sendo que a estação chuvosa vai de dezembro a maio. A vegetação predominante é o cerrado com 97% da área, e 3% de mata. O município é banhado pelos rios: Rio São Lourenço, Rio das Mortes, Rio Aricá Mirim, Rio Cumbica, Rio Roncador, Rio Ximbica, Rio Galheiros e Rio da Casca.

PARABÉNS CAMPO VERDE ....
Clara Libe

quarta-feira, julho 01, 2009

CAMPO VERDE - PARABÉNS!!!




Apresentação do Acróstico Ilustrado sobre o Aniversário de Campo Verde .....

CAMPO VERDE - PARABÉNS!!!

CAMPO VERDE - MT
Parabéns pelos seus 21 anos...
Cidade bela e formosa.
Acolhe a todos que aqui chega.
Moldurada por grandes palntações.


Produz muito algodão , soja entre outros grãos .
Outras pessoas , de vários lugares vêm para cá , para investir, aprender e se divertir ...

Visitada por muitas pessoas ,pois possui grandes belezas naturais.


E o comércio , as indústrias que aqui estão só prosperam.


Realiza grandes festas, para muita gente ,como: FESTA JUNINA, FESCAN ,EXPOVERDE ,entre outras .
Destaca-se em todo o País como a Capital Nacional do Algodão e a Capital Estadual do Frango.


Esperamos que você CAMPO VERDE tenha um lindo aniversário de 21 anos , e que proporcione aos seus habitantes , muita alegria,orgulho e dignidade.


Por isso , nós alunos do 3ºano A da Escola Municipal São Lourenço, desejamos á você CAMPO VERDE .......PARABÉNS!!!