Páginas

domingo, dezembro 14, 2008

PROJETO TIRINHAS

PROJETO TIRINHAS/ TURMA DA MONICA

PÚBLICO-ALVO: 1ª SÉRIE “A”



PERÍODO: SEGUNDO SEMESTRE DO ANO DE 2008

Apresentação

As historias em quadrinho da turma da Mônica são bastante conhecidas pela garotada e podem ser usadas em sala de aula para trabalhar diferentes temas. Como os personagens também são crianças, é comum que os alunos se identifiquem com algum deles. Idéia surgiu pelo fato de os alunos apresentarem pouca vontade com a leitura.


Justificativa
Estou enfrentando dificuldades em relação ao interesse das crianças pela leitura. Pensando nisso, resolvi trabalhar com eles um projetinho chamado Tiras e este projeto foi discutido através da roda de conversa sobre o tema. Em que houve interesse de todos, devido ser um tema bastante envolvente e que os próprios alunos acabam se identificando com algum dos personagens. Alem de trazer pequenos textos bem fáceis de leitura, motivando assim o interesse de as crianças pela leitura.


Objetivo geral

Promover por meio de uma abordagem educomunicativa, a produção de uma história em quadrinho que permita aos alunos criarem e vivenciarem, com textos e desenhos, este momento singular da História.
Além de abranger de forma interdisciplinar as áreas:
· Artes (para a pesquisa iconográfica e os conceitos de histórias em quadrinhos),
· Língua Portuguesa (para a construção de narrativa, diálogos e revisão de texto)
· História
· Geografia
· Matemática
· Ciências

Este trabalho possibilita rever e ou trabalhar vários temas, colaborando assim para o desenvolvimento intelectual da criança.



Objetivos específicos

· Desenvolver a imaginação e a produção de texto;
· Incentivar o gosto pela leitura.
· Vivenciar diferentes situações de argumento;
· Transformar reflexões em mudanças de atitudes;
· Experimentar o prazer artístico;
· Identificar expressões e emoções;
· Favorecer a sociabilidade;
· Interesse pelas tiras;
· Conhecer a técnica de produzir uma tira;
· Conhecer a biografia de Mauricio de Souza;
· Confeccionar personagens das tiras e ou gibis usando diferentes técnicas;
· Produzir tiras, usando formas geométricas.
· Estimular o raciocínio, desenvolver a percepção visual e a coordenação motora da criança.
· Ressaltar a importância da reciclagem no meio ambiente;
· Trabalhar o raciocínio, o pensamento, a reflexão.
· Interagir ciências e arte,discutindo sobre animais de estimação.
· Estimular o interesse pela pesquisa de maneira pratica.
· Estimular a criatividade, atenção e concentração do aluno através de palavras e os seus respectivos sons ( onomatopéias ).



FUNDAMENTAÇAO TEORICA

A história em quadrinhos (HQ) geralmente está associada às linguagens verbal e visual, envolvendo elementos como personagens, tempo, espaço e acontecimentos organizados em seqüência, numa relação de causa e efeito. A expressão verbal costuma aparecer nos balões, nas legendas (ou letreiros), onomatopéias e interjeições. O uso de imagens e representação de gestos compõe a linguagem não-verbal, essencial à criação de uma HQ. No universo da HQ, portanto, pode-se desenvolver com os alunos um trabalho que explore diferentes linguagens e, ao mesmo tempo, tratar dos mais diversos assuntos: política, ciência, sociedade, esportes, humor, hábitos, entre outros.
O que é tiras?

É uma forma de arte que soma texto e imagens com o objetivo de narrar historias dos mais variados gêneros e estilos.
No geral, são publicadas no formato de revista, livros ou em tiras nos jornais e revistas.
Fazer tiras requer capacidade de síntese, pois é preciso contar uma historia com começo meio e fim, em apenas três ou quatro quadrinhos.

MAURICIO DE SOUZA

( FOI PROVIDENCIADO , ENTREI EM CONTATO COM O PESSOAL DO MAURICIO DE SOUZA E PRODUÇÕES E ELES ME ENVIARAM UMA APOSTILA COMPLETA SOBRE A HISTORIA DO MAURICIO, AS PRIMEIRAS CRIAÇOES , COMO MONTAR UM GIBI ...)


COLORIR: QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?


Colorir desenhos é uma atividade tão natural para as crianças como dormir e chorar. Muito mais do que formas aleatórias, colorações monocromáticas ou rabiscos quase ilegíveis, o ato de colorir é extremamente importante, incentivando o desenvolvimento de várias e essenciais capacidades.

Expressão pessoal.
Desenhar e colorir são formas de expressão pessoal por excelência das crianças, que nem sempre conseguem exprimir-se adequadamente através da fala ou da escrita. Vários estudos já comprovaram que é bastante fácil perceber o que alguém está a sentir através das imagens que desenha ou das cores que utiliza para colorir. Por exemplo, uma criança que desenha facas, pistolas, caveiras ou outros objetos perturbantes pode estar a pedir ajuda. Por outro lado, uma criança que desenha o sol, passarinhos, corações ou outros objetos alegres, pode estar a expressar o seu contentamento. É um exercício excelente para desenvolver personalidades e deixar a criatividade fluir!

Identificação das cores.
A maioria das crianças tem a sua primeira (e muitas vezes única!) exposição à roda das cores e ao conceito de arte, graças às brincadeiras infantis com lápis de cor, de cera e marcadores. Aprender a distinguir as diferentes cores bem cedo, é meio caminho andado para perceber as suas várias e corretas aplicações, bem como possíveis misturas entre cores primárias e secundárias, mais tarde.

Uma forma de terapia.
O simples ato de colorir pode ser terapêutico para muitas crianças e é uma atividade utilizada em muitos hospitais, centros de aprendizagem e instituições para possibilitar o “descarregar” de emoções, sentimentos e frustrações. Uma criança zangada pode perfeitamente pintar o seu desenho de uma árvore toda preta, a tal ponto que a própria figura deixe de ser visível. De outra perspectiva, uma criança organizada, que gosta das coisas à sua maneira, pode colorir o seu desenho meticulosamente, sem ultrapassar qualquer linha do mesmo. Independentemente da forma como vai colorir ou desenhar, esta é uma excelente forma de acalmar as crianças.

Aprender a segurar e a controlar.
Um lápis de cera é, para muitas crianças, o primeiro objeto que aprendem a segurar, para o poderem controlar. Dominar um lápis de cera é a rampa de lançamento para conseguirem dominar as restantes ferramentas de colorir – lápis de cor, marcadores, pincéis – e, mais tarde, os de escrita – caneta e lápis. Quanto mais bem desenvolvidas estiverem as suas capacidades de segurar e de controlar um lápis de cera, mais facilitada será a sua aprendizagem mais tarde, quando começarem a escrever.

Coordenar para pintar.
O desenvolvimento da coordenação olho-mão é outra grande lição que as crianças retiram das suas sessões de colorir. Desde segurar firmemente o lápis de cera, a reconhecer as cores que devem ser utilizadas, até ao ato de afiar os lápis, a verdade é que colorir desenhos implica uma enorme coordenação entre os olhos e as mãos. Quanto mais praticarem, mais vão desenvolver esta aptidão tão básica para a vida.

Aperfeiçoamento das capacidades motoras.
Colorir é divertido, não é? Pois é! Mas também é muito mais do que isso – enquanto as crianças se entretêm a colorir, interagindo com marcadores, tintas, lápis de cor, de cera e papel, estão a trabalhar e a fortalecer os músculos das mãos. Colorir exige uma coordenação básica e um esforço conjunto entre os músculos dos braços e os das mãos que, uma vez desenvolvidos, permitirão às crianças executar atividades mais exigentes, mas com dificuldade mínima.

Concentração máxima.
As crianças que se dedicam a 100% à coloração dos seus desenhos fazem-no na perfeição: não há espaço que fique por preencher, nem linha que tenha sido cruzada! E isto por quê? O simples ato de colorir tem a capacidade de prender a atenção de uma criança, estimulando a sua concentração máxima, mesmo em face de um ambiente barulhento como uma sala de aula ou a cozinha antes da hora de jantar. Com o passar do tempo, os seus níveis de concentração vão continuar a melhorar.

Estabelecer limites.
Uma criança mais nova não saberá respeitar as linhas do seu desenho tão bem como uma criança mais velha que já faz um esforço enorme para colorir dentro das mesmas… mas depressa chega lá! E ainda bem! Reconhecer e respeitar estes limites (mesmo que sejam os de um desenho!) é uma excelente experiência e método de aprendizagem para aquilo que se segue: escrever letras e números nas linhas de um caderno!

Missão cumprida!
A satisfação e o sorriso na cara de qualquer criança que consegue colorir um desenho inteiro dentro das linhas é uma vitória muito importante para os artistas de palmo e meio! O sentido de cumprimento, de que tudo é possível, é fundamental para as crianças porque dá-lhes motivos para se sentirem orgulhosos, capazes, confiantes e, claro, para ser congratulado pela sua comunidade mais imediata. Para, além disso, é um sentimento de “missão cumprida” que dificilmente esquecerão.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ( ideias ....)

Metodologia 1

Uso da Tirinha para prática da escrita (construção de frases). Nesta atividade os alunos estarão divididos em pequenos grupos, visto que é sempre mais adequado para realização de trabalhos onde todos cooperam.

Metodologia 2

Uso da Tirinha para reforçar conhecimentos adquiridos em disciplinas de História. O professor, nesta atividade, sugere o tema a ser debatido pelas crianças e sugere a construção de uma história sobre um TEMA específico. As crianças são distribuídas em pequenos grupos, 5 no máximo. Elas interagem e debatem sobre o assunto definido, buscando imagens e texto relacionados.

Metodologia 3

Uso da Tirinha como atividade extra classe para estimular a criatividade, capacidade de interação com os colegas e concretizar algum conhecimento ou assunto exposto em sala de aula. Nesta atividade é o aluno quem escolhe o assunto a ser tratado na história, podendo também escolher seu próprio grupo de trabalho. É bom sempre respeitar o pequeno número de participantes, visto que um trabalho cooperativo realizado por muitas crianças pode comprometer a participação de alguns alunos na construção da história.

DESENVOLVIMENTO

Produzir uma história em quadrinhos é, em geral, uma atividade coletiva (há quem escreva, quem desenhe, quem pinte) e pode ser desenvolvida em três etapas:

Primeira etapa:

Após a pesquisa sobre o tema, cada grupo terá uma abordagem diferente. Incentivá-los tomando como apoio a idéia de que quadrinhos são seqüenciais e, portanto, contam uma história que tem começo, meio e fim.

Nessa etapa, os alunos irão escrever.
As falas para seus personagens e começar a dividir a ação em quadros.

Segunda etapa:

É à hora da escolha do posicionamento para os personagens nos quadros, e a partir daqui entra em cena as atividades de Artes.
A criatividade dos alunos para desenhos e cores dará vida aos textos por eles mesmos criados a partir das aulas e por meio de pesquisas.

Terceira etapa:

Após a execução das histórias em quadrinhos, os alunos organizarão uma exposição. Dos trabalhos os quadrinhos produzidos e as pesquisas visuais –, que podem ser afixados em papel cartolina, como painéis que serão apresentados e expostos para toda a escola.

Quarta etapa:

Faça um novo grande círculo na sala de aula e peça aos alunos que façam uma reflexão conjunta sobre a experiência que tiveram ao aprender os conceitos de História e ao recriar, com os próprios estilos de histórias em quadrinhos, o tema estudado.




SUGESTÃO DE ATIVIDADES

· Cada aluno produzirá o seu livro, texto e ilustração, com argumentos relacionados ao assunto que estiver sendo trabalhado.
· Depois poderá trocar seu livro com seus colegas e observar como cada um tem um estilo próprio de desenhar, pintar e desenvolver o tema escolhido.
· Leitura de varias tiras ao qual, farão à leitura e depois irão colori-las.
· Confecção dos personagens de Maurício de Souza, (fantoches, dedoches, acessórios de alguns personagens...)
· Inventar historias com os personagens, e ou acessórios e apresentar de diversas formas como, parodias, dramatizações...)
· Jogos interativos na aula de informática, com os personagens fazendo com que os alunos os conheçam mais e que brinquem aprendendo.
· Vídeos com historinhas envolvendo os personagens. Mas só para relaxar, pois a intenção maior é a leitura das tiras e gibis da Turma da Mônica.
· Recortar a figura desejada colar em uma folha de sulfite, recorte balões no papel colorido e escrever as expressões correspondentes. ( onomatopéias )
· Pesquisar a historia do autor dos personagens e como surgiram ;
· Roda de conversa sobre o os diversos temas apresentados nos quadrinhos;
· Pedir aos alunos para trazerem gibis ou tiras da Turma da Mônica
· Listar com os alunos quais são os nossos direitos e deveres quanto consumidor e confeccionar uma cartilha informativa;
· Realizar um concurso com o melhor desenho da Turma da Mônica
· Consultas a fontes escritas ou qualquer outro recurso que venha enriquecer o tema – coleta de materiais;

CONTEÚDOS

· Leitura de tiras com diferentes temas e gibis da turma da Mônica
· Diferenças x inclusão social
· Comportamentos corretos e incorretos
· Listas de vários assuntos: animais, objetos , brinquedos , etc.
· A importância da higiene
· Zona rural e zona urbana
· Meios de transportes e meios de comunicação
· Meio ambiente
· Alimentos
· Situações problemas (adição e subtração)


RECURSOS

· Tiras sobre vários assuntos
· Gibis
· Cartazes
· Xérox de atividades, atividades impressas
· Papel cartão
· Papel sulfite
· Cola
· Tesoura
· Lápis de cor
· Giz de cera
· Tinta guache
· DVD da turma da Mônica
· Jogos interativos (aula de informática)
· TNT
· E.V.A
· Mascaras da turma da Mônica
· Fantoches
· Dedoches
· Etc

MULTIPLICANDO


( AQUI TERÁ MAIS TRABALHOS DIFERENCIADOS... DRAMATIZAÇÃO , CARACTERIZAÇÃO ...)
Os quadrinhos produzidos, depois de serem apresentados para os estudantes em sala de aula, deverão ser expostos na escola, incentivando outros professores e alunos de outras séries a participar em desta proposta.



REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
· Revistas

O professor Sassá

Guia pratico para professores de educação infantil

· Internet
www. turmadaMônica.com. Br
http://www.usp.br/nce/educomjt/paginas/dumont.pdf

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails